sábado, 17 de novembro de 2012

As palavras que faltavam

Nojo, muito nojo e vergonha é o que sinto ao ver as imagens abaixo. Não talvez a pior das vergonhas, que pior que vergonha alheia é a vergonha própria. Quase desejo que aqueles selvagens não tenham pais, que não imagino pior sofrimento que ver um filho a destruir outros enquanto se destrói também a si próprio.
Quanto aos mirones, que assistiam ao festival quais abutres à espera que a presa morresse... bom habilitaram-se. O Português tem destas coisas, é incapaz de resistir a um bom acidente, quanto mais sangue melhor, já tem história para contar lá em casa, é ver as filas de trânsito que se formam nas faixas contrárias às dos acidentes, chegam a ser maiores e mais morosas, de modo que os mirones ficaram por ali, foram-se deixando estar, à espera de ver quando é que um polícia partia a cabeça, quando é que um escudo era roubado. Acabaram por ver e poder contar na primeira pessoa como podia doer um casse-tête, qual era a sensação de uma cabeça aberta, como podia ser aterrador fugir sem direcção.
E ainda têm o desplante de falar em violência policial? Depois de agredirem homens, pais e filhos, primos e tios, no exercício das suas funções? Funções essas que os levam a arriscar a vida em prol da defesa da segurança de todos nós?
Seus grandes imbecis, estamos a falar de polícia de choque, altamente preparados para pedras e muito mais, quando carregam, carregam para abater tudo o que mexe. É a única forma de 300 homens chegarem para 3000. É para intimidar. É para dissuadir. Leva o pecador e leva o mirone. Só não leva quem tem juízo e se põe a andar dali para fora por não compactuar com aqueles festivais.
Pardon my french mas violência policial a puta que os pariu.

20 comentários:

  1. Ainda bem que consegues sempre dizer o que eu penso muito melhor do que eu!
    Vergonha!
    Aquela gente sem cara (acaso teriam vergonha que os pais os vissem ou seria só medo das represálias) esteve ali como quem está na feira popular, no tiro ao boneco; estavam à espera de quê?
    Saberão eles o esforço de vontade que por ventura terá sido necessário a alguns (quando não todos) os policias que ali estavam para se manter no seu lugar, honrar a sua profissão; quantos não terão deixado a alma no cacifo enquanto se fardavam?
    Eles, como nós (e alguns ainda mais do que nós) sentem na pele a injustiça do que se passa!
    Têm famílias para sustentar, casas para pagar, tudo; igual, igual!
    Tenho para mim, não quero acreditar que a minha gente foi nisto que se tornou, que essa escumalha provocadora foi paga, industriada por alguns que querem sangue, mas talvez seja só a minha mania da teoria da conspiração a funcionar...
    Os que ficaram para ver, tiveram o que mereciam!
    Lamento as crianças que ali estiveram e que a tudo assistiram por culpa de pais poucochinhos de cabeça; sendo verdade que se aprende pelo exemplo há com certeza outras formas de resistência e de oposição a ensinar. Mas lá está, dão mais trabalho; é preciso pensar e isso, para muitos, já é esforço a mais!

    ResponderEliminar
  2. Violência foi o que eles fizeram com os polícias.

    Lê: http://expresso.sapo.pt/o-sor-desculpe-por-acaso-estava-a-apedrejar=f767093

    ResponderEliminar
  3. Bem, de facto compará-la a Cristo convenhamos que é um pouco difícil de aceitar. Quando muito à Virgem Maria mas,... ná, não me parece. Algo me diz que seria ainda uma comparação mais desfasada.
    E que tal à Maria Madalena? Ora aí está, à Madalena!...Depois de arrependida, entenda-se.
    Se não fosse o automóvel alemão e os louboutins, perdão, Prada! O que lhe assentava a matar era a Madre Teresa de Calcutá.
    Se trocasse o James Martin's pelo chá.

    Empoleirado no meu galho
    Miro o mundo aos tropeções
    Uns, lamentando o triste fado
    Outros, no muro das lamentações

    Oh! Destino!
    Mas que vida ao desatino
    Pior que a do Isaltino
    É viver fazendo o pino
    Pela côdea e um tremocinho.

    Ah! Não fica assim, não fica não!
    Rebelou-se o Rodrigão.*
    Não vai a bem vai à mão.
    Pedrada nos kornos desse kabrão
    Enquanto houver calçada no chão.

    (*) Leia-se Povão.

    ResponderEliminar
  4. Quem para lá não foi para a frente fui eu... quem foi, já sabia para o que ia.

    ResponderEliminar
  5. É mesmo, causa uma certa indignação os 'anormalecos' acharem que tudo podem. Isto nem me parece real, a sério, como é possivel tal vandalismo em 2012!

    É sempre bom saber que a policia pode actuar, que tem autonomia, porque como bem se sabe casos houve por aí, em que o feitiço se virava contra o feiticeiro, ou seja a policia actuava e ainda era penalizada.

    Se lhe são delegados poderes, estão no seu direito e obrigação de o exercerem, se assim o entenderem. Nesse caso só é pena não estarem lá mais 300 ou mais 600:|

    ResponderEliminar
  6. No meu trabalho costumo contactar com um policia de intervenção. Pouco depois da primeira manifestação em que atacaram a Assembleia meti-me com ele, por causa das maminhas que andaram a mostrar. Contou-me que para eles (intervenção) é um tormento o impasse que vivem nesses momentos, não têm ordem para recuar nem avançar, e aos poucos vão vendo colegas serem atingidos com os mais variados objectos. Não sou a favor da violência, mas não me parece sensato que as pessoas se mostrem tão indignadas com a carga policial nestas circunstâncias ainda por cima sobre falsos pretextos de reivindicação.

    ResponderEliminar
  7. Que é um "cacetete"?

    Já viste o que os pais sentem de pessoas que se revoltam nas praças, com o objectivo de revolucionarem o seu país?

    Já viste o que sente a família daquele que se suicida por ficar sem emprego, sem casa?
    Vergonha. Muito vergonha, pois então!

    A bom tempo te revelaste. Afinal és igual, ou pior, do que aqueles que por aqui criticavas. Caiu-te a mascara! "Nojo, muito nojo e vergonha" de ti.

    Vá lá, amanhã é dia te de confessares. Não te esqueças. Não é bom andares assim com a língua tão suja.

    ResponderEliminar
  8. Isto, sem os "meus" anónimos não tinha a mesma graça. É a palavra francesa para bastão.
    A culpa da crise é da policia? É que foram eles os apedrejados. Quanto a mim, sou muito pior do que possa imaginar, lucifer em pessoa, não há confissão que me valha, até porque o domingo é dia de missa e não de confissão, essa costuma ser às 3ªs ou 5ªs, dependerá das paroquias.
    Se quiser mais esclarecimentos não hesite em contactar-me eu gosto de elucidar quem não sabe, mostrar o caminho da luz, sei lá, afinal foi para isso que nasci.

    ResponderEliminar
  9. Cacetete ou cassetete
    É igual para função
    Serve na mesma a preceito
    Quando malha no coirão.

    Serve do mesmo jeito
    bem servido pela mão
    Varre tudo que está a eito
    Sem remorso nem perdão.

    Não perguntes por quem malha o cassetete
    Mas precave-te de quem o usa
    Pois se te armas e não fores inteligente
    Vais saber o quanto a carícia dura.

    ResponderEliminar
  10. O caminho da Luz, sim senhor! Seja na Catedral ou em Moreira de Cónegos.
    Além disso a mulher dá sempre à Luz e não dá a Alvalade ou ao Dragão.
    Gostei sobremaneira!!

    ResponderEliminar
  11. Nem reparei vou emendar, quando ligar o pc que no Tm é mais complicado.
    Pássaro não gosto lá muito disso da luz, em Alvalade segue-se mais os ensinamentos Dele, perseverança, dar a outra face, aceitar com paciência e humildade, enfim é só escolher.

    ResponderEliminar
  12. Pipoca, és a MÁIOR (com sotaque do Norte e tudo)! 100% de acordo!

    ResponderEliminar
  13. concordo tanto! fiz um post semelhante.
    ***

    ResponderEliminar
  14. Violência é o que o governo faz aos portugueses, à falta de acesso aos cuidados de saúde, à fome nas escolas, ao cortar nas pensões, ao deixarem os bancos despejar famílias e obrigar nos a subsidiar os mesmos bancos fraudulentos. Ao dar subsídios aos assessores e cortar aos que prestam serviço publico. Violência é deixar atirar pedras para depois dar a ordem para bater em todos pais com crianças, velhos, pessoa em cadeira de rodas. De forma a inibi-los de se manifestarem da próxima vez. Dia 27 de Novembro ha nova manif. NÃO se deixem INTIMIDAR.

    ResponderEliminar
  15. Pipoca, não esquece que os polícias tiveram mais de 2 horas a levar com pedras, ovos e essas porcarias todas. Já muito aguentaram eles! E além do mais, os polícias deram um aviso que a malta tinha 5 m para dispersar...o que não fizeram. E agora estavam a' espera do quê?! Que fossem brandos??! Não me lixem.

    ResponderEliminar
  16. Mas será que este pessoal ainda não percebeu que estas "manifes" não nos levam a lado nenhum? Pelo contrário o que se vê é um grupo de gajos que não faz nenhum , infiltrados num grupo de pessoas que realmente pretendem manifestar aos filhos da p....destes governantes (que não governam mas sim desgovernam...), a apedrejarem policias, incendiarem contentores e partirem montras e carros de inocentes!!! Sinceramente, o que é que esta "minoria" de anormais pertendem? Se eles fossem trabalhar...

    ResponderEliminar
  17. Violência, em meu entendimento, é os pais levarem os filhos e ensiná-los a vociferar insultos acompanhados de actos de apedrejamento a polícias que são, até ver, o baluarte de algum, pouco, comedimento desses meliantes.
    Violência é também os filhos levarem os familiares dependentes em cadeiras de rodas para o belicismo declarado. Isto, claro, a fazer fé nas suas palavras.
    Mas ainda pecou por comedimento porque faltaram as mães com os bebés de colo para o arraial estar completo.
    Por isso, povo que me ouvis: segui o conselho do anónimo e na próxima, que está mesmo a rebentar, ide buscar os familiares que estão no asilo e vocês, mães de Portugal, levem os vossos bebés ao colo porque, segundo o anónimo, a multidão faz força e não se deixa intimidar.
    E depois vão saber qual a diferença de cacetete e cassetete, que é como quem diz: aprender até morrer.

    ResponderEliminar
  18. Quanto a mim só se perderam as que cairam no chão. Quem faz aquilo e ainda por cima de cara tapada, não só perde qualquer razão como ainda por cima é covarde. Quanto aos outros, como alguém já disse , qundo começou a chuva de pedras, que se pusessem a andar que já se via que ia dar para o torto. Eu se estivesse numa manifestação e começassem a atirar pedras a quem não tem culpa nenhuma vinha embora, ficar lá é concordar com aquilo.
    Quanto a quem levou crianças para uma manifestação com a tensão que está no país só uma palavra: acéfalas!

    ResponderEliminar
  19. Olha, escrevi à pouco num blogue um comentário e deixei claro que não gostei do que vi por parte de uns palhaços que gostam é de ser violentos e andaram a arrancar pedras da calçada para atirar aos polícias, que também têm filhos...

    enfim. O que vi na TV sobre este dia foi muito pouco. Vi a reportagem na TVi e depois que a polícia partiu para agressão afastei-me. NÃO GOSTEI de ver um polícia recuar para dar uma cacetada num homem que não fugiu, estava ali parado, sem ser ameaça para ninguém e já estava no chão. Isso não gostei, preferia que a polícia tivesse o discernimento de distinguir um pacifista de um trouble maker. Mas pronto...

    Queria ver quantos civis (bem sei que esta policia é treinada para tudo e mais alguma coisa e os civis não) é que aguentavam ficar ali parados a levar com pedras em cima. O que eu vi fiquei com a impressão que foi rápido, mas eles começaram com as pedradas ainda de dia, os incêndios, os foguetes ou que é aquilo... DETESTO essa manifestação de mediocridade. A violência é o recurso de quem não tem ARGUMENTOS. E ainda que às vezes se sinta que estes de pouco valem, o que se vê nestas imagens, para mim, são actos de «holliganismo», vindos de grupos organizados talvez, que pediram a pessoas pacíficas para se juntarem e assim se camuflarem, e aproveitaram-se para ter actos de violência, independentemente do protesto, das causas, dos objectivos.

    Deplorável.
    A polícia tb tem de defender, é esse o seu papel na sociedade e bem que nos agrada que exista e esteja por perto caso uma pessoa violenta como estas se virar contra alguém, mas ter visto uma agressão de uma autoridade a uma pessoa pacífica é algo que também não me desce. Mas provocados foram...

    ResponderEliminar
  20. LOL
    Agora que li o resto do texto tenho de te elogiar pela clareza das ideias. Suspeito que tal se deve a teres na proximidade alguém que exerce/u) essas funções. Não que tenha de ser, eu não tenho, mas é cá uma intuição...

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.